Dengue: o monstro tropical

Dengue é uma doença febril aguda, de etiologia viral e de evolução benigna, na maioria dos casos. Pode apresentar duas formas clínicas: Dengue Clássico e Febre Hemorrágica do Dengue (FHD) / Síndrome do Choque do Dengue (SCD).

É a virose urbana mais difundida no mundo. Com exceção da Europa, ocorre em todos os continentes. É uma doença de áreas tropicais e subtropicais, onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti.

Há basicamente dois tipos de dengue: a clássica e a hemorrágica. Geralmente, quando contaminado pela primeira vez, o indivíduo contrai a dengue clássica. Em uma segunda contaminação, existe um risco maior de contrair a dengue hemorrágica, que é muito mais grave e pode levar à morte.

Atualmente há um consenso de que o êxito de qualquer programa de controle de Dengue depende da participação integrada da comunidade e com a cooperação dos cidadãos.

Entretanto, para que este objetivo seja alcançado, deverão ser desenvolvidas estratégias de alcance nacional para:

  • Sensibilizar os formadores de opinião para a importância da ação de comunicação/educação no combate ao dengue;
  • Sensibilizar o público em geral sobre a necessidade de uma parceria governo/sociedade com vistas ao controle do dengue no país;
  • Enfatizar a responsabilidade social no resgate da cidadania, numa perspectiva de que cada cidadão é responsável por si e pela sua comunidade.

Sinais de Alerta: dor abdominal intensa e contínua; vômitos persistentes; hepatomegalia dolorosa; derrames cavitários; sangramentos importantes; hipotensão arterial; diminuição da pressão diferencial; hipotensão postural; agitação e letargia; pulso rápido e fraco; extremidades frias; cianose; diminuição brusca da temperatura corpórea associada à sudorese profusa, taquicardia e lipotímia e aumento do hematócrito ( com variação de 20%).

Medicamentos a base de Ácido acetil salicílico e Paracetamol devem ser evitados em caso de suspeita de dengue, uma vez que podem causar sangramentos e acidose.

Deixe um comentário