Hidroterapia nas Tensões Musculares da Coluna Vertebral

Publicado em 22 de fevereiro de 2015

Hidroterapia nas Tensões Musculares da Coluna Vertebral

Hidroterapia nas Tensões Musculares da Coluna Vertebral

Hidroterapia nas Tensões Musculares da Coluna Vertebral

Efeitos Terapêuticos da Imersão

• Diminuição da descarga de peso (decoapitação articular)

• Postura em flexão (musculatura antigravitacionária).

• Diminuição dos estímulos proprioceptivos (>profundidade e < descarga de peso).

• Diminuição do tônus (- diminui estímulos dos sistemas facilitadores dos músculos extensores).

– diminuição das aferências fusais, (fibra Ia).

• Estimula as vias cerebelares e vestibulares (equilíbrio) devido a atuação das duas forças (empuxo e peso) com a ação de rotações.

• Facilita a ação da musculatura fraca (que não vencem a força gravitacional).

• Favorece o aumento das ADMs direta e indiretamente.

– direta: pela diminuição da descarga de peso interarticular

– indireta: pela diminuição do tônus e da dor.

• Facilita: – ortostatismo / marcha (diminuição de peso)

• Facilita o manuseio do paciente em várias posições

• Facilita o relaxamento físico e emocional do paciente

Efeitos Terapeuticos Vasculares e Cardiacos

• A pressão hidrostática diminui o lúmem dos vasos periféricos. Os líquidos do interstício irão para os vasos, aumentando o volume destes que serão redistribuídos para outras regiões.

• Aumento o débito cardíaco.

• Aumento da pressão pleural.

• Aumento da diurese.

• Deslocamento de aproximadamente 700 ml de sangue para a região central do tórax

• Alterações pulmonares (mecânica).

Temperatura

• Imersão – calor superficial, efeitos tópicos locais.

• Vasodilatação, diminuição da sensação da fibra nervosa rápida (tato), e com exposição prolongada, diminuição da sensação da fibra nervosa lenta (dor).

• A temperatura da pele está aproximadamente em 33.3ºC, portanto temperaturas nesta faixa são consideradas neutras.

• Diminuição da pressão arterial média (vaso dilatação).

• Aumento da diurese (débito cardíaco, dilatação atrial, retomo venoso e vasodilatação).

• Eficiência na remoção de catabólicos.

• Diminuição da dor diretamente pelo calor (diminuição da sensação da fibra de dor com exposição prolongada ao calor).

• Indiretamente pelo resultado do relaxamento muscular, Diminuição de edemas.

• Relaxamento muscular e diminuição do tônus:
– através do sangue aquecido, conduzido para as estruturas internas subjacentes à pele, atuando na dessensibilização do fuso neuromuscular (diminuição da aferências das fibras Ia).

Recapitulando

• Redistribuição do fluido extravascular para o espaço vascular (pressão hidrostática).

• Aumento no volume central de sangue.

• Aumento da diurese concomitantemente aumento significativo da natriurese.

• Diminui os níveis de norepinefrmna em até 60% em imersão até a altura do pescoço.

• Diminuição da secreção do hormônio anti-diurético ( ADH).

• Aumento de sangue na cavidade torácica aproximadamente 700 ml. (gestantes até 800 ml.)

• Diminuição da descarga de peso C7=10%; processo xifóide 30 % crista ilíacas = 50%

• Estabilização articular

• Favorece o ortostatismo e marcha

• Estimula o equilíbrio

• Auxilia o alongamento muscular

• Favorece o aumento da ADMs direta e indiretamente

• Propicia trabalho respiratório para o aumento da expansibilidade, favorecendo a expiração e aumentando a capacidade vital.
.
• Reforço moral do paciente

Hidroterapia E Coluna Vertebral

• Função: eixo / suporte; proteção da medula e raizes nervosas; eixo de movimento (transferências de peso)

• Eixo de Manutencâo: formação óssea (encaixe); ligamentos; cápsula

As quatro curvas fisiológica da coluna são responsáveis pela flexibilidade e capacidade de absorver choques, sugerindo a partir da anatomia do disco intervertebral, que é mais alto na frente que atrás na região cervical e tombar, e no caso das torácicas decorrem principalmente do aumento da cunha nas vértebras.

Coluna Cervical
• flexão / extensão (maiores movimentos pelas cervicais inferiores)

• flexão lateral

• rotação (atlanto-axial)

• circundução

Coluna Torácica
• flexão lateral (maior amplitude)

• rotação (pequena amplitude)

Coluna Lombar
• flexão / extensão (T11 – L2)

• flexão lateral

• rotação mínima

Curvaturas da Coluna:

Curvatura Lombar
• Está ligada a vários fatores:construção dos ossos em curvatura (platô sacral é obliquo); proporções corporais; posição da bacia; trações musculares; fatores psicológicos

• Em relação à posição da bacia: anteversão causa lordose tombar; retroversão leva ao desaparecimento da lordose tombar

• Seqüência de aponeuroses e músculos tensos a partir do orifício occipital e das vértebras cervicais descem até o esterno e até o diafragma, este último inserindo sobre as primeiras vértebras lombares.

• Esta linha encurtada pode produzir: projeção da cabeça para baixo e para frente; acentuação de a curvatura lombar, tracionada para frente, e para o alto ou até os dois juntos.

• A utilidade da lordose é de amortecimento das pressões verticais.

• A carga excessiva pode criar sofrimento neste local:

A lombalgia por compressão interapofissária, pode lesionar as cartilagens, criando os fenômenos de artrose, com sofrimento ligamentares e musculares das estruturas vizinhas, podem gerar edemas, comprimindo raízes nervosas. E assim que surgem as ciatalgias, etc.

• Os músculos psoas e abdominal interferem na curvatura tombar anteriormente.

• Psoas que se inserem sobre toda a coluna lombar e também sobre a 12 dorsal, sobre as faces laterais dos corpos vertebrais, terminam sobre o fêmur.

– tem a função de contenção abdominal

• Os abdominais, que aproximam o púbis do esterno e também flexiona anteriormente todas as vértebras até mais ou menos T8.

– levam a coluna lombar a uma retificação da lordose.

Curvatura Dorsal

• Neste local o jogo das vértebras é indispensável ao das costelas, limitando a mobilidade primeiramente nas 7 primeiras vértebras ligadas ao esterno.

• Vai diminuindo em seqüência deixando a região dorsal baixa hipermúvel, onde as últimas costelas são flutuantes.

Cadeias Musculares
• 1947-Meziêre (Primeira pessoa a dar inicio ao trabalho de cadeias musculares).

• Conjunto muscular de mesma direção que se sobrepões como telhas de um telhado.

• Não existe cifose, existe sim sobreposição de duas lordoses, sendo que em T8 e 19 ocorre o encontro das duas grandes lordoses, retificação – cifose

• Todas as alterações posturais ocorrem devido a modificações das lordoses

• Atualmente:
– Reconstrução postural.

– RPG

– GDS – Godelieve Denys – Struf

– 3 esquadros

– Leopoldo Busquet

– Podoterapia

– Reorganização Postural Global

– Iso Streching

Cadeias do Movimento

• (coordenação motora – Leopoldo Brusquet)

– estática econômica; equilíbrio; conforto

• Para suporte

– ossos

– tecido conjuntivo – fácias, aponeuroses, porção conjuntiva dos ligamentos, etc.

– 2 apoios hidropneumáticos (víceras e pulmão)

• Para o movimento
– músculos

Cadeias dinâmicas une não foram feitas para manter a estática e sim o movimento

• Se forem só para estática

– encurtamento e fibrose

• Cadeia reta posterior

– dinâmica dos músculos posteriores

• Cadeia reta anterior

– reto abdominal, aproxima a cabeça do púbis (rolamento).

• Cadeia cruzada anterior direita e esquerda

– que aproximará um ombro do quadril oposto

• Cadeia cruzada posterior direita e esquerda

– que aproximará um ombro do quadril oposto no plano posterior

Tipos Físicos

• Fechamento:
– CRA / CCAs (cadeia reta anterior / cadeias cruzadas posteriores)

– indivíduo tímido, deprimido; enrolamento físico e psicológico. Introspeção / passado.

• Abertura
– CRP / CCPs (cadeia reta posterior / cadeia cruzadas posteriores)

– posição de coragem, extroversão

– indivíduo alegre, expansivo, aberto para o mundo e que adora desafios.

• Erguimento
– tanto cadeias posteriores como anteriores com diminuição das curvaturas

– indivíduos com pouca mobilidade fisica e emocional

– Rigidez física “psíquica”

• Achatamento
– aumento das curvaturas, cadeias anteriores e posteriores.

– Indivíduos de grande mobilidade, de fácil adaptação e sem padrão próprio

Tratamento

• Relaxar (harmonizar)

• Reprogramar o movimento (Coordenaçao Motora)

Curvaturas Da Coluna

• Duas grandes direções de trabalho

– alinhar o conjunto vertebral:alongar; fortalecer; coordenar

– mobilizar as articulações: alongar; fortalecer; coordenar

Disfunções Biomecânicas

• Alterações emocionais; Alterações da resposta frente à força gravitacional; Disposição e formação óssea; Atividades individuais; Escolioses / Hiperlordoses / Hipercifoses; Rigidez; Desvios segmentares; Aumento da coaptação; Diminuição da circulação sangüínea local; Compressão radicular

escrito por:Johnny Siqueira

fonte:http://www.santafisio.com/trabalhos/ver.asp?codigo=73

Deixe uma resposta

Translate »