FIBROMIALGIA

Publicado em 10 de janeiro de 2014

O nome FIBROMIALGIA significa dores
nos músculos e tecidos conectivos fibrosos
(ligamentos e tendões). Esta condição é
considerada uma síndrome porque abrange
um conjunto de sinais e sintomas que podem
ocorrer simultaneamente em diferentes
doenças. OS SINAIS se referem aos achados
físicos que o médico encontra quando
examina o paciente, enquanto que os
SINTOMAS se relacionam às queixas
relatadas durante a entrevista. Fibromialgia
é freqüentemente confundida e pouco
entendida já que vários de seus sintomas
podem ser encontrados em outras patologias.
O termo fibrosite foi usado para descrever
esta mesma condição. Itis significa
inflamação – um processo que pode
desencadear dor, calor, inchaço, vermelhidão
e rigidez. Como os investigadores
descobriram que a inflamação não é um fator
importante nessa condição, o termo
fibromialgia tornou-se mais correto e
substituiu o velho termo fibrosite.
Fibromialgia afeta principalmente
músculos e seus locais de fixação nos ossos.
Embora se manifeste como uma doença
articular, ela não é inflamatória (artrite) e
não causa deformidade nas juntas.
Fibromialgia é, ao invés, uma forma de
reumatismo de tecidos moles ou muscular.
A palavra reumatismo se refere a dor e rigidez associadas às juntas, músculos e ossos.
A síndrome de fibromialgia não apresenta
alterações laboratoriais. Por isso, seu
diagnóstico depende principalmente das
queixas ou sensações que o paciente relata.
Algumas pessoas podem olhar estes sintomas
como imaginários ou desprezíveis.
Durante os últimos 10 anos, entretanto,
a fibromialgia tem sido melhor definida
através de estudos que estabeleceram regras
para seu diagnóstico. Esses estudos
demonstram que certos sintomas como dores
musculares generalizadas e pontos dolorosos
específicos estão presentes em pessoas com
fibromialgia e que não são comuns em
pessoas sadias e com outros tipos de
reumatismo. Esses aspectos separam a
fibromialgia de outras condições que se
apresentam com dores ósseas e musculares
crônicas. 

SINTOMAS E SINAIS

Dor

A dor é o sintoma mais importante na
fibromialgia. Ela geralmente é sentida em
todo o corpo, embora possa começar em
uma região, como pescoço ou ombro, e se
espalhar para outras áreas após algum tempo.
A dor em fibromialgia tem sido descrita de
vários maneiras, dentre as quais ardência,
incômodo, rigidez e fisgadas. Geralmente
varia com a hora do dia, tipo de atividade,
clima, padrão de sono e estresse.
A maioria das pessoas com fibromialgia
dizem que sempre sentem um pouco de dor.
Elas sentem dor principalmente nos
músculos e dizem ter a sensação de como
se estivesse constantemente gripadas. Para
algumas pessoas com fibromialgia, a dor pode ser severa.
Embora o exame físico geral seja
usualmente normal e essas pessoas pareçam
sadias, um exame cuidadoso de seus músculos
revela áreas bastante sensíveis em
determinados locais (veja página 4).
A presença e padrão desses característicos
pontos sensíveis com sintomatologia de dor
distingue a fibromialgia de outras condições.
Nem todos os médicos estão familiarizados
com essa síndrome, mas a maioria dos
reumatologistas (especialistas em artrite e
doenças reumáticas) sabem como avaliar um
ponto dolorido e relacioná-lo ao diagnóstico.
As áreas doloridas na fibromialgia são
similares em localização às áreas de outros
tipos comuns de dores ósseas e musculares
como cotovelo de tenista, bursite
trocanteriana, etc. Os pontos doloridos da
fibromialgia tendem a estar presentes em
ambos os lados e em diferentes locais.
Embora os pontos ilustrados acima sejam
usados para diagnóstico, muitos outros
pontos musculares e de tecidos moles podem
ser excessivamente sensíveis. Você pode não
estar ciente da exata localização desses pontos
sensíveis até o momento em que eles sejam
especificamente pesquisados durante um
exame médico.

Fadiga e Distúrbios do Sono

Cerca de 90 %o das pessoas com
fibromialgia sentem uma fadiga de moderada
a severa, com perda da energia, diminuição
da resistência aos exercícios, ou um cansaço
semelhante àquele resultante de uma gripe
ou perda de sono. Algumas vezes a fadiga é
um problema maior do que a dor. Pessoas
com fibromialgia podem ter uma fadiga
semelhante à de outra condição chamada
Síndrome da Fadiga Crônica (SFC). Algumas
pessoas com fibromialgia têm sintomas de
SFC. e vice versa. Por exemplo, muitas
pessoas com SFC têm pontos sensíveis e
sintomas semelhantes aos daqueles com
fibromialgia. Pelo fato de existir uma
superposição entre essas duas síndromes
comuns, às vezes não é possível separar essas
duas condições. Um médico pode dar um
diagnóstico de fibromialgia enquanto outro
pode chamar a mesma condição de síndrome
da fadiga crônica.
Muitas pessoas com fibromialgia
experimentam um distúrbio do sono, em
que elas não acordam aliviadas mas sentindose
cansadas. Embora você possa ser capaz
de ficar acordado sem grandes dificuldades,
o estágio de sono profundo pode estar
interrompido. Você pode dormir
superficialmente e acordar durante a noite.
Outros distúrbios do sono, incluindo
apnéia, mioclonia, e síndrome da perna
cansada são também comuns. Pesquisas têm
mostrado que uma ruptura do sono
profundo altera muitas funções cruciais do
organismo, como a percepção da dor.

Sintomas do Sistema Nervoso

Mudanças no humor e na maneira de
pensar são comuns na fibromialgia. Muitos
indivíduos sentem-se desanimadas, embora
apenas 25% estejam verdadeiramente
deprimidos. Algumas pessoas também
manifestam ansiedade. Por esse motivo
existem pesquisadores que pensam poder
haver relação entre a fibromialgia e algumas
formas de depressão e de ansiedades crônicas.
É importante lembrar que pessoas com
outras doenças crônicas que não a
fibromialgia também podem sentir
depressão quando enfrentam dificuldades
para amenizar seus sintomas.
Pessoas com fibromialgia podem referir
diminuição na capacidade de se concentrar
e de executar tarefas comuns. Não há
evidências de que esses problemas se tornem
mais sérios com o decorrer do tempo.
Problemas semelhantes são também
observados em outras pessoas com alterações
do humor, distúrbios do sono ou outras
doenças crônicas.

 

Outros Problemas

Cefaléias especialmente de tensão
e enxaquecas são comuns na fibromialgia.
Dor abdominal, inchaço, constipação
alternando-se com diarréia (cólon espástico
ou cólon irritável) são também comuns.
Da mesma maneira espasmos semelhantes
e irritabilidade na bexiga, podem causar
urgência e aumento da freqüência urinária.
A pele e a circulação sangüínea quando
sensíveis às mudanças de temperatura
acarretam modificações temporárias na
coloração da pele.

 

COMO DIAGNOSTICAR
A FIBROMIALGIA ?

O diagnóstico de fibromialgia se baseia
nas queixas de dores difusas associadas a
sensibilidade aumentada nas localizações
específicas mostradas na página 4. Não
existem exames específicos laboratoriais ou
radiológicos que permitam diagnosticar a
fibromialgia. Estes testes apenas ajudam
quando definem outro diagnóstico e excluem
a fibromialgia. Um exemplo é a baixa do
hormônio de tireóide que diagnostica o
hipotireoidismo e que pode levar o paciente
a apresentar sintomas semelhantes aos da
fibromialgia.
Uma história e exame físico
cuidadosos podem afastar outras condições
que também causam dor e fadiga crônicas.
Pelo fato dos sintomas da fibromialgia
serem generalizados, inespecíficos e
semelhantes ao de outras alterações médicas,
muitas pessoas se submetem a avaliações
complicadas e repetidas antes de identificar
que se trata da fibromialgia. Como nem
todos os médicos estão treinados para
reconhecer essa síndrome, torna-se
importante procurar um especialista, o
reumatologista ou outro médico que esteja
familiarizado com o diagnóstico e tratamento
dessa condição.

 

O QUE CAUSA OU DESENCADEIA
A FIBROMIALGIA?

Diferentes fatores, isolados ou
combinados, podem desencadear a
fibromialgia. Alguns tipos de estresses como
doenças, traumas emocionais ou físicos,
mudanças hormonais, etc podem gerar dores
ou fadiga generalizadas que não melhoram
com o descanso e que caracterizam a
fibromialgia.
Trauma físico ou emocional podem
desencadear a fibromialgia. Exemplificando:
uma infecção, um episódio de gripe, ou um
acidente de carro, podem estimular o
aparecimento dessa síndrome. Pessoas com
fibromialgia podem ficar inativas ou ansiosas
sobre sua saúde, agravando essa condição.
Pesquisas têm também procurado o papel
de certos hormônios ou produtos químicos
orgânicos que possam influenciar na
manifestação da dor, no sono e no humor.
Eventualmente, essas pesquisas podem
resultar em um melhor entendimento sobre
a fibromialgia assim como em um tratamento
mais efetivo e até mesmo na prevenção.

 

COMO SE TRATA A FIBROMIALGIA ?

As opções terapêuticas para a fibromialgia
incluem:

•Medicações para diminuir a dor
e melhorar o sono
•Programas de exercícios para fortalecer
a musculatura e melhorar a aptidão
cardiovascular
• Técnicas de relaxamento e outras
medidas para diminuir a tensão
muscular
• Programas educativos para ajudar você
a entender e manejar a fibromialgia.
Seu médico pode estabelecer um plano
para atender suas necessidades individuais.

Algumas pessoas com fibromialgia podem
ter sintomas discretos e precisar de um
tratamento menos demorado. Isso acontece
principalmente quando elas entendem
melhor essa condição e identificam os fatores
que podem piorar a doença. Muitas pessoas
se beneficiam quando conseguem entender
o programa terapêutico.

 

Medicações

Os anti-inflamatórios comumente usados
no tratamento de muitos tipos de
reumatismos, não surtem um resultado tão
eficaz na fibromialgia. Entretanto, modestas
doses de aspirina, ibuprofen ou acetaminofen
podem promover algum alívio da dor.

Estudos mostram que medicações do tipo:

narcóticos, tranqüilizantes, ou derivadas de
esteróides, são ineficazes e devem ser evitadas
por causa de seus efeitos colaterais.

Medicações que promovem sono
profundo e relaxamento muscular ajudam
a muitas pessoas com fibromialgia a se
sentirem mais descansadas. Essas incluem a
amitriptilina, a doxepina,a ciclobenzaprina
além de outras medicações inibidoras da
recaptação de serotonina. Embora essas
medicações também sejam usadas para tratar
diferentes tipos de depressão, elas são
prescritas para pessoas com fibromialgia em
pequenas doses.
No tratamento da
fibromialgia, essas medicações são usadas
mais com o objetivo de aliviar a dor, relaxar
os músculos e melhorar o sono, do que
especificamente para aliviar os sintomas de
depressão.
Embora muitas pessoas possam melhorar
o sono e sentir menos desconforto quando
tomam essas medicações, as variações
individuais nos resultados podem ser grandes.
Além disso, algumas medicações podem
gerar efeitos colaterais como sonolência,
constipação, boca seca e apetite aumentado.
Estes efeitos geralmente não são severos, mas
podem causar perturbações e por isso limitar
o uso dessas drogas. Converse com seu
médico se você tiver dúvidas sobre esse assunto.

 

Exercícios e Terapia Física

Dois grandes objetivos da fisioterapia no
tratamento da fibromialgia são: exercitar os
músculos doloridos com exercícios de
alongamento e melhorar as condições
cardiovasculares com exercícios aeróbicos.
Muitas pessoas podem participar de um
programa de exercícios que promovam uma
sensação de bem estar, aumentando a
resistência e diminuindo a dor. Exercícios
aeróbicos têm beneficiado pessoas com
fibromialgia.
Você pode resistir a praticar exercícios
quando sente dor ou cansaço. Atividades
aeróbicas que causam pouco impacto como
caminhar, andar de bicicleta, nadar e
hidroginástica, são consideradas como a
melhor escolha para se iniciar um programa
de exercícios.

Faça uma avaliação com seu
médico antes de iniciar um programa e
comece devagar. Uma sugestão é praticar
exercícios regulares em dias alternados,
aumentando gradualmente suas atividades
até atingir um uma boa aptidão física.
Gentilmente estenda seus músculos e
mova suas juntas até um nível adequado,
diariamente, assim como antes e após
exercícios aeróbicos. Você pode também
consultar um fisioterapeuta para ajudar a
estabelecer um programa personalizado e
específico para melhorar sua postura,
flexibilidade e aptidão física.

 

COMO LIDAR COM FIBROMIALGIA

Pessoas com fibromialgia freqüentemente
se submetem a diferentes testes e procuram
vários especialistas em busca de explicações.
Isso pode provocar medo e frustração, que
podem aumentar a dor. Pessoas com
fibromialgia, que externamente não se
apresentam doentes e cujos exames realizados
são normais, costumam ser olhadas como
não tendo um problema verdadeiro.

A família e os amigos, assim como os
médicos, podem duvidar da veracidade de
suas queixas, aumentando o isolamento,
gerando sentimento de culpa e irritabilidade
nesses pacientes.
Você e sua família devem saber que a
fibromialgia é uma causa real de dor e fadiga
crônicas, que precisam ser tratadas do mesmo
modo que outras doenças crônicas.

Felizmente, a fibromialgia não necessita ser
tratada por toda a vida e não causa
deformidades. Embora os sintomas possam
variar de intensidade, a condição como um
todo raramente progride com o tempo.

O fato de se saber que a fibromialgia não
é progressiva, permite que não se onere o
custo da investigação e que se possa
desenvolver uma atitude positiva frente a
essa situação. Técnicas de relaxamento (como
meditação, relaxamento muscular
progressivo, yoga ou biofeedback) podem
também ajudar. Quanto mais você aprende
sobre esta condição e busca encontrar o meio
mais efetivo para diminuir os sintomas,
melhor será o resultado.
Grupos de ajuda e classes educativas
organizadas podem surtir efeitos benéficos
para muitos pacientes.

O fato de você saber
que não está sozinho funciona como um
meio de suporte. The Arthritis Foundation
nos Estados Unidos organiza vários destes
grupos.
Algumas das pessoas com fibromialgia
apresentam severos sintomas que as tornam
incapacitadas de exercer suas atividades no
trabalho e dentro da sociedade. Esses
indivíduos necessitam de mais atenção e de
um programa que seja acompanhado por
diferentes especialistas como terapeutas
físicos, médicos (reumatologistas),
especialistas do sono, psicólogos ou
psiquiatras, enfermeiros, etc.
A grande maioria das pessoas com
fibromialgia melhoram e são capazes de
manejar seus problemas efetivamente.
Entretanto, necessita-se de um melhor
entendimento das causas da fibromialgia e
dos fatores agravantes para se conseguir um
tratamento mais efetivo e se poder
desenvolver medidas preventivas.

 

ARTHRITIS FOUNDATION

The Arthritis Foundation é uma entidade
americana que ajuda em média 43 milhões
de americanos que apresentam artrite e
outras condições reumáticas e músculo
esqueléticas. Essa fundação patrocina
pesquisas em busca de caminhos para curar
e prevenir artrites além de procurar melhorar
a qualidade de vida dos afetados por
problemas osteoarticulares.
Por se tratar de uma organização que não
visa lucro, The Arthritis Foundation conta
com contribuições para financiar pesquisas,
programas e serviços.

Este texto é uma tradução de uma
brochura produzida pela
Arthritis Foundation,
1330 West Peachtree Street,
Atlanta, GA, USA 30309.
A missão da Arthritis Foundation
é patrocinar pesquisas para encontrar
a cura e prevenir artrites
melhorando a qualidade
de vida das pessoas afetadas.

Sumário
ARTHRITIS
FOUNDATION®

Tradução para o português autorizada
para Dra. Rejane Leal Araujo
(email: rotolo@matrix.com.br)
e Sociedade Brasileira de Reumatologia

Deixe uma resposta

Translate »